sábado, outubro 11, 2008

ANJOS GUARDIÃES


Os anjos guardiães são embaixadores de Deus, mantendo acesa a chama da fé nos corações e auxiliando os enfraquecidos na luta terrestre.
Quais estrelas formosas, iluminam as noites das almas e atendem-lhes as necessidades com unção e devotamento inigualáveis.
Perseveram ao lado dos seus tutelados em toda circunstância, jamais se impacientando ou os abandonando, mesmo quando eles, em desequilíbrio, vociferam e atiram-se aos despenhadeiros da alucinação.
Vigilantes, utilizam-se de cada ensejo para instruir e educar, orientando com segurança na marcha de ascensão.
Envolvem os pupilos em ternura incomum, mas não anuem com seus erros, admoestando com severidade quando necessário, a fim de lhes criarem hábitos saudáveis e conduta moral correta.
São sábios e evoluídos, encontrando-se em perfeita sintonia com o pensamento divino, que buscam transmitir, de modo que as criaturas se integrem psiquicamente na harmonia geral que vige no Cosmo.
Trabalham infatigavelmente pelo Bem, no qual confiam com absoluta fidelidade, infundindo coragem àqueles que protegem, mantendo a assistência em qualquer circunstância, na glória ou no fracasso, nos momentos de elevação moral e naqueloutros de perturbação e vulgaridade.
Nunca censuram, porque a sua é a missão de edificar as almas no amor, preservando o livre-arbítrio de cada uma, levantando-as após a queda, e permanecendo leais até que alcancem a meta da sua evolução.
Os anjos guardiães são lições vivas de amor, que nunca se cansam, porquanto aplicam milênios do tempo terrestre auxiliando aqueles que lhes são confiados, sem se imporem nem lhes entorpecerem a liberdade de escolha.
Constituem a casta dos Espíritos Nobres que cooperam para o progresso da humanidade e da Terra, trabalhando com afinco para alcançar as metas que anelam.
Cada criatura, no mundo, encontra-se vinculada a um anjo guardião, em quem pode e deve buscar inspiração, auscultando-o e deixando-se por ele conduzir em nome da Consciência Cósmica.
Tem cuidado para que te não afastes psiquicamente do teu anjo guardião.
Ele jamais se aparta do seu protegido, mas este, por presunção ou ignorância, rompe os laços de ligação emocional e mental, debandando da rota libertadora.
Quando erres e experimentes a solidão, refaze o passo e busca-o pelo pensamento em oração, partindo de imediato para a ação edificante.
Quando alcances as cumeadas do êxito, recorda-o, feliz com o teu sucesso, no entanto preservando-te do orgulho, dos perigos das facilidades terrestres.
Na enfermidade, procura ouvi-lo interiormente sugerindo-te bom ânimo e equilíbrio.
Na saúde, mantém o intercâmbio, canalizando tuas forças para as atividades enobrecedoras.
Muitas vezes sentirás a tentação de desvairar, mudando de rumo. Mantém-te atento e supera a maléfica inspiração.
O teu anjo guardião não poderá impedir que os Espíritos perturbadores se acerquem de ti, especialmente se atraídos pelos teus pensamentos e atos, em razão do teu passado, ou invejando as tuas realizações... Todavia te induzirão ao amor, a fim de que te eleves e os ajudes, afastando-os do mal em que se comprazem.
O teu anjo guardião é o teu mestre e amigo mais próximo.
Imana-te a ele.
Entre eles, os anjos guardiães e Deus, encontra-se Jesus, o Guia perfeito da humanidade.
Medita nas Suas lições e busca seguir-Lhe as diretrizes, a fim de que o teu anjo guardião te conduza ao aprisco que Jesus levará ao Pai Amoroso.


Franco, Divaldo Pereira. Da obra: Momentos Enriquecedores. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador, BA: LEAL. 1994.

O Círio de Nazaré


O Círio de Nazaré é realizado no segundo domingo de outubro desde 1793. A estátua da Santa teve origem na cidade de Nazaré na Galiléia, a imagem representa a Virgem Maria, tendo em seus braços o Menino Jesus segurando uma esfera azul.
A imagem da Santa passou a ser cultuada em Portugal, em decorrência do milagre ocorrido na manhã do dia 14 de setembro de 1182 com D. Fuas Roupinho, amigo do rei Afonso Henrique. Durante a perseguição de uma caça, D. Fuas perdeu o controle das rédeas de seu cavalo, o qual corria descontroladamente em direção à um abismo. Desesperado com a possibilidade da morte iminente, D. Fuas lembrou-se da Imagem e exclamou: "Senhora, valei-me!". No mesmo instante o cavalo estancou com ímpeto, cravando as patas traseiras nas pedras, rodopiando sobre e elas pondo a salvo o cavaleiro. A caça e os cachorros despencaram pelo precipício.

A devoção de Nossa Senhora de Nazaré foi introduzida no Pará pelos padres jesuítas, tendo o culto começado na cidade da vigia, no século XVII. O primeiro milagre que deu origem à procissão em Belém, ocorreu em outubro de 1700. Conta-se que um humilde lenhador filho de português, morador do atual bairro de Nazaré, ao andar pelos lados do igarapé Murutucu, onde atualmente fica uma travessa que passa por traz da atual Basílica de Nazaré, encontrou a imagem da Nossa Senhora de Nazaré trazida por algum devoto oriundo da Vigia. Era uma réplica da estátua que se encontra em Portugal, esculpida em madeira, com aproximadamente 28 cm de altura. Ela estava depositada entre pedras lodosas, bastante deteriorada pela ação do tempo. Encantado com a descoberta , o lenhador a levou para sua casa, improvisando ali um pequeno altar. De acordo com a tradição, a imagem não ficou na casa, retornando misteriosamente ao lugar do achado. O fato repetiu-se outras vezes, até que o lenhador decidiu erguer, às margens do igarapé, uma humilde capela. A propagação desse episódio repercutiu como milagre, chamando vários fiéis que iam conhecer a imagem e prestar-lhe culto. O governador da época determinou a remoção da imagem para o Palácio da Cidade. Não obstante a vigília de soldados colocados à porta da capela, a imagem novamente desapareceu, voltando ao seu nicho primitivo. No lugar está erguida, hoje, a suntuosa Basílica de Nossa Senhora de Nazaré

O Círio de Nazaré é uma tradição paraense, e por sua magnetude é considerado como "O Natal dos Paraenses", pois como é costume nessa época ser desejado "bom Círio", a todas as pessoas, como a querer dizer : que este dia seja abençoado, que todos os seus sonhos se realizem, que novas esperanças surjam na sua vida e outras coisas mais.

Não sou católica, mas a procissão, mesmo não tendo a conotação do catolocismo é sem dúvida uma demostração de fé, de esperança e sobretudo de amor.

Na procissão é nítida a impressão desse amor que parecer emanar de todos e para todos. Não é possível deixar de sentir-se tocado, sensibilizado. É uma reunião de várias mentes emando um só pensamento: o agradecimento a Senhora de Nazaré por seu amor e intercessão jinto a seu filho muito querido, Jesus Cristo, que veio a este mundo para nos deixar uma mensagem imorredoura, a de que o amor a tudo de soprepõe e só ele é o que realmente importa.

Bem, BOM CÍRIO A TODOS OS PARAENSES!