domingo, dezembro 07, 2008

Fanatismo



Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver !
Não és sequer a razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida !


Não vejo nada assim enlouquecida ...
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida !

"Tudo no mundo é frágil, tudo passa ...
"Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim !

E, olhos postos em ti, digo de rastros :
"Ah ! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus : Princípio e Fim ! ..."


Por - Florbela Espanca

Busca





Deserto, árido, sem cor, sem dor

Perdido, ido, sem sentido,

Pouco, louco, tampouco,

Assim, a mim, de mim, pra mim

Revertido, colorido, prurido.

Deixado de lado, consentido.

Louco, tampouco, pouco.

Vivido, sentido, festivo.

Sem querer reprimido.

Sentido, festivo, vivido.

Ocultar não faz sentido,

Viver de mim, pra mim, por mim.

Isso sim não faz sentido.

Buscar, achar, encontrar.......... me encontrar.

Busco, rebusco, entro e dentro,

Acalento . E o que comtemplo?´

Não sei, não entendo.

Olhar, ver, não ver........... me ver!

Coisa difícil de entender.

Ah! alma humana tão estranha.

Pra comtemplá-la busca-se as entranhas,

pra viver