sábado, novembro 25, 2006

Casimiro de Abreu (1839 - 1860)

As vezes conhecemos alguém e e nos sentimos muito bem com essa pessoa. Não sabemos explicar isso. Sentimos sua falta e queríamos ter a oportunidade de estar com ela, mas se isso por alguma razão não é possível, tudo bem ! Ao menos posso expressar esse sentimento através dos versos de Casemiro:

O Que É - Simpatia

Simpatia — é o sentimento
Que nasce num só momento,
Sincero, no coração;
São dois olhares acesos
Bem juntos, unidos, presos
Numa mágica atração.
Simpatia — são dois galhos
Banhados de bons orvalhos
Nas mangueiras do jardim;
Bem longe às vezes nascidos,
Mas que se juntam crescidos
E que se abraçam por fim.
São duas almas bem gêmeas
Que riem no mesmo riso,
Que choram nos mesmos ais;
São vozes de dois amantes,
Duas liras semelhantes,
Ou dois poemas iguais.
Simpatia — meu anjinho,
É o canto do passarinho,
É a doce aroma da flor;
São nuvens dum céu d'agosto,
É o que m'inspira teu rosto...
— Simpatia — é — quase amor!

Casemiro de Abreu

sexta-feira, novembro 24, 2006

Poema enjoadinho


Filhos . . . Filhos? Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo? Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio Como os queremos!
Banho de mar Diz que é um porrete . . .
Cônjuge voa Transpõe o espaço
Engole água Fica salgada Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica! Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação: Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão. Filhos?
Filhos Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o! Filhos são o demo
Melhor não tê-los . . . Mas se não os temos
Como sabê-los? Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne Que gosto doce
Na sua boca! Chupam gilete
Bebem xampu Ateiam fogo No quarteirão
Porém que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

Vinicius de Moraes

Belém e seus antecedentes


Vicente Iañez Pinzon, foi o primeiro a navegar no Rio Amazonas, o espanhol em 1499 partiu de Palos a frente de quatro caravelas.
Houve outras espedições ainda comandadas por espanhões. Dessas, a mais importante foi a de Pedro Ursua, enviado em 1560, pelo Vice-rei do Peru, André Hurtado de Mendonça, para proceder a uma grande exploração. Varios motivos ocasionaram um grande motim na guarnição, liderado por Lopo de Aguire. Pedro de Ursua foi assassinado. Em 1561, o que restava da guarnição chyegou a foz do Amazonas.
Vale ressaltar que Diogo de Lepe, seguindo idêntica rota, encontrou um "rio muito grande de água doce". Não desembarcou devido a hostilidade dos indígenas, que matarem, com certeiras flechadas, nada menos do que dez de seus companheiros. Muitos historiadores afirmam que essa hostilidade teve origem na viagem de Pizon, que teria levado alguns índios como escravos.
Em 1541, Francisco de Orellana, a mando de Gonçalo Pizarro e a frente de 400 espanhóis e de 4.000 índios, partiu de Quito (em fins de fevereiro) para explorar as terras do El dorado y la canela. A 24 de agosto de 1542, chegava Orellana a embocadura do Amazonas, sendo portanto, o primeiro a navegar na realidade, toda a extensão daquele curso d'água. Na viagem, relatada, entre outros por Frei Gaspar de Carvajal e pelo jesuíta Alonso de Rojas, é que teria ocorrido o lendário e fantasiuoso encontro com as amazonas, na foz de Nhamundá, o qual originou o nome do grande rio.
No Pará, antes da fundação de Belém pelos portugueses, chegaram até a fundar uma aldeia em Caeté ((hoje Bragança), além de dominarem completamente o Maranhão. Mas os portugueses, depois de muita luta, conquistaram as terras maranhenses. E partiram para nova etapa : a conquista do Grão Pará.

Fonte : ANDRADE. Paulo de Tarso.Belém e suas histórias de Veneza paraense - a Belle époque (de

quinta-feira, novembro 23, 2006

RENATO RUSSO


Renato Manfredini Júnior nasceu no Rio de Janeiro em 27 de março de 1960, filho do economista Renato Manfredini, funcionário do Banco do Brasil e de Dona Maria do Carmo, professora de inglês. Ele aprendeu inglês desde pequeno, quando morou, dos 7 aos 10 anos, em Nova York. Nova transferêcia do pai levou o menino, já com 13 anos, a Brasília que tanto marcou sua música. Renato teve uma infância e adolescência de classe média alta, típica do pessoal das bandas de Brasília. Entre os 15 e os 17 anos enfrentou várias operações e viveu entre a cama e a cadeira de rodas, combatendo uma doença óssea rara chamada epifisiólise.

São suas estas palavras : "Não queremos ser diferentes, e, sim, que todo mundo tenha o direito de ser como é. Eu não preciso me sentir mal porque não sou igual ao garoto que está no anúncio do iogurte. É você ser sexy, charmoso, com uma certa plasticidade corpórea. Cria-se uma geração de clones. Estes são os anos 90."

JEAN JACQUES ROSSEAU


Na história das idéias, o nome do suíço Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) se liga inevitavelmente à Revolução Francesa. Dos três lemas dos revolucionários — liberdade, igualdade e fraternidade —, apenas o último não foi objeto de exame profundo na obra do filósofo, e os mais apaixonados líderes da revolta contra o regime monárquico francês, como Robespierre, o admiravam com devoção. O princípio fundamental de toda a obra de Rousseau, pelo qual ela é definida até os dias atuais, é que o homem é bom por natureza, mas está submetido à influência corruptora da sociedade. Um dos sintomas das falhas da civilização em atingir o bem comum, segundo o pensador, é a desigualdade, que pode ser de dois tipos: a que se deve às características individuais de cada ser humano e aquela causada por circunstâncias sociais. Entre essas causa, Rousseau inclui desde o surgimento do ciúme nas relações amorosas até a institucionalização da propriedade privada como pilar do funcionamento econômico

ROBERT MUSIL

Em "O Jovem Törless", o primeiro romance do escritor austríaco Robert Musil, estamos no espaço da angústia, algures perdidos na solidão das palavras. Algures entre o desejo do desconhecido e o bem-estar da estabilidade. O próprio jovem Törless se coloca perante essa ambiguidade: "Sentia-se de certa forma dilacerado entre dois mundos: um sólido e burguês, no qual tudo acontecia de modo sensato e regrado, como estava habituado em casa; outro, aventureiro, sombrio, misterioso, sanguinário, com surpresas inimagináveis."


“O meu modo de escrita pessoal é a ironia. E também a ruptura com o ideal de exemplos maiores do que a natureza e o reconhecimento do facto de que um escritor não deve (nem pode) chegar ao sistema filosófico.”

Karl Marx

Idealizador de uma sociedade com uma distribuição de renda justa e equilibrada, o economista, cientista social e revolucionário socialista alemão Karl Heinrich Marx, nasceu na data de 05 de maio de 1818, cursou Filosofia, Direito e História nas Universidades de Bonn e Berlim e foi um dos seguidores das idéias de Hegel.

Este filósofo alemão foi expulso da maior parte dos países europeus devido ao seu radicalismo. Seu envolvimento com radicais franceses e alemães, no agitado período de 1840, fez com que ele levantasse a bandeira do comunismo e atacasse o sistema capitalista. Segundo este economista, o capitalismo era o principal responsável pela desorientação humana. Ele defendia a idéia de que a classe trabalhadora deveria unir-se com o propósito de derrubar os capitalistas e aniquilar de vez a característica abusiva deste sistema que, segundo ele, era o maior responsável pelas crises que se viam cada vez mais intensificadas pelas grandes diferenças sociais.

Fonte: Sua pesquisa.com

CHE GUEVARA


Esta é a foto mais famosa do mundo e foi tirada pelo cubano Alberto Korda el 5 de marzo de 1960, durante um ato de despedida às vítima da sabotagem do barco francês La Coubre.


Revolucionário e líder político latino-americano, cuja negação a aderir tanto ao capitalismo quanto ao comunismo ortodoxo, transformou-o num emblema da luta socialista. Por sua aparência selvagem, romântica e revolucionária, Che Guevara significa hoje uma lenda para os jovens revolucionários de todo o mundo, um exemplo de fidelidade e total devoção à união dos povos subjugados.

Pensamentos


"Os poderosos podem matar uma, duas ou três rosas, mas jamais conseguirão deter a primavera inteira" - Ernesto 'Che' Guevara

"Os filósofos não têm feito se não interpretar o mundo de diferentes maneiras; o que importa é transformá-lo" - Karl Marx

"Não é o génio que está um século à frente de seu tempo. É a humanidade que está cem anos atrás dele." - Robert Musil

"O homem nasce livre e em toda parte se encontra acorrentado" - Jean-Jacques Rousseau

"[...]Quem me dera ao menos uma vez provar que quem tem mais do que precisa, ter quase sempre se convence que não tem o bastante, fala demais por não ter nada a dizer.Quem me dera ao menos uma vez que o mais simples fosse visto como o mais importante [...]" - Renato Russo



Um pouco de arte


Antonio Canova (1757-1822)

Nasceu em Psssagno, Itália, Escultor precoce, considerado como o mais importante do período neoclássico. Suas obras mais conhecidas representam personagems mitológicos e religiosos, no entanto sua qualidade artística, lhe permitiu todos os tipos de temas. Ainda menino (11 anos), vai viver em em Veneza e aos 24 anos vai para Roma. Então Canova já deslumbrava com suas obras talhadas em mármore, tanto assim, que em ainda com pouca idade foi contratado para esculpir a tumba do Papa Clemente XIV. Mais adiante foi solicitado em toda a Europa e trabalhou para um sem númerp de pessoas notáveis da época como Napoleão e e imperatriz Catarina da Russua. O prestígio de Canova era imenso. Ingleses e franceses o receberam com honras quando vitou Londres e Paris. Ao observarmos suas esculturas é fácil concluir que foram criadas por um superdotado nas artes. Seu estilo e sua técnica incoparáveis o situam entre os mais grandes mestres da escultura clássica italiana.

As sem-razões do amor

As sem-razões do amor
Eu te amo porque te amo,
Não precisas ser amante,e nem sempre sabes sê-lo.
Eu te amo porque te amo.
Amor é estado de graça e com amor não se paga.
Amor é dado de graça, é semeado no vento, na cachoeira, no eclipse.
Amor foge a dicionários e a regulamentos vários. Eu te amo porque
não amo bastante ou demais a mim.
Porque amor não se troca, não se conjuga nem se ama.
Porque amor é amor a nada, feliz e forte em si mesmo. Amor é primo da morte, e da morte vencedor ,por mais que o matem (e matam)a cada instante de amor.

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE