sábado, setembro 27, 2008

Cidades



A história das cidades, em geral, remete a períodos longínquos da Antiguidade, sendo que as primeiras cidades teriam surgido entre quinze a cinco mil anos atrás, dependendo das diversas interpretações sobre o que delimita exatamente um antigo assentamento permanente e uma cidade. As primeiras verdadeiras cidades são por vezes consideradas grandes assentamentos permanentes nos quais os seus habitantes não são mais simplesmente fazendeiros da área que cerca o assentamento, mas passaram a trabalhar em ocupações mais especializadas na cidade, onde o comércio, o estoque da produção agrícola e o poder foram centralizados.



As primeira cidade de que se tem notícia teriam surgido à beira de grandes fluxos de água, pois eles garantiam terras férteis e irrigação, proporcionando que a cidade pudessem ser abastecidas com regularidade. Por causa dessa regularidade foi que desenvolveu-se o comércio, primeiramente de trocas, o escambo, para muito mais tarde aparecer o dinheiro.



Dentre as inúmeras cidades que se desenvolveram por estar fundada às proximidades de grandes fluxos de água, é Tebas, no Vale do Nilo no Antigo Egito, também conhecida por Uaset, no Egito ou, simplesmente, "a cidade" ou " Heliópolis do Sul, ou "cidade do sul" por ser a Capital da 4ª província do Alto Egito e da metade sul do país, tabém chamada de Luxor, que quer dizer "palácio", antiga morada dos soberanos, sendo a capital gloriosa do Egito por mais de 1500 anos.




Na Era das Pirâmides quando a capital do reino unido era Ménfis, Tebas foi apenas uma pequena cidade de pouca importância. A partir da Época da segunda unificação do reino egípcio pelo rei tebano «Neb-Hebet-Rá», Montohotep I, por volta de 2134. a.C , Tebas passou a ser a capital do país, tendo em conta que os monarcas da dinastia XI pertencem a essa cidade celebre, porém o deus poderoso na cidade daquela época não foi Amón, mas o deus da guerra "Monto". Quando os reis da dinastia XII deixaram Tebas e fundaram nova capital " Ithet-tawi", em Beni Suef, provavelmente Tebas perdeu uma grande parte da sua importância. Por volta de 1570 a. C aprox. com a terceira unificação e a expulsão dos Hicsos, graças as batalhas prolongadas de libertação feitas a cabo pelos reis da dinastia tebana conhecida como a dinastia XVII, Tebas recuperou o seu valor e passou de novo a ser a capital do reino egípcio unido. Sob o controlo de grandes reis como Ahmoss, Amenhotep I, Tohotmos I, inicou-se o processo de segurar as fronteiras do reino por meio de campanhas militares remetidas às terras asiáticas e núbias, divulgando a tranquilidade e segurança ao longo do país. Com a restauração da paz e sossego durante os reinados daqueles monarcas poderosos surgiu grande prosperidade comercial e artística. Quando Hatshepsut subiu ao trono dedicou grande interesse ao intercâmbio comercial com outros reinos sobre tudo com o leste da África. Ela deu mais interesse a restauração e construção de novos templos sobretudo em Tebas. Tohotmus III, o grande faraó guerreiro expandiu os cantos do seu império para todas as dirercções do mundo então conhecido, comandando em coragem 17 diversas campanhas militares para Ásia e para África (Núbia).

Entre o tempo da dinastia XXI até a dinastia XXV (1070-750 a.C aprox.) Tebas sofreu de uma época calamitosa, pois grande parte da glória da cidade desapareceu e havia uma ruptura com o poder central, limitando-se a servir de um centro religioso de grande destaque. Uma tentaiva de restaurar paz, ordem e estabilidade foi levada a cabo pelos monarcas da dinastia XXV, conhecida na história com a Dinástia Núbia. Reis oriundos de Napata" (no norte do Sudão actual) conquistarm o país, transformaram Tebas no seu próprio centro espiritual e religioso, e conseguiram restaurar uns edifícios e aumentaram outros na capital. Com a conquista dos assírios ao Egipto em 667 a.C Tebas sofreu de uma época de declínio, desordem, e destruição. Uma tentativa que teve sucesso foi levada a cabo pelos príncipes nacionais do oeste do Delta "Sais" terminou pela expulsão dos assírios do país e a fundação da dinsatia XXVI, porém a cidade de Sais (Sa El Hagar) foi a capital. E no entanto Tebas se recuperou e foi reconstruída e restaurada de novo. Infelizmente os persas conquistaram o Egipto e tomaram Tebas que foi vítima de tarefas de violência, destruição e devastação.






Nenhum comentário: